top of page
  • Foto do escritorSilvana Santos

O dia em que fui à uma igreja evangélica e saí pior



A minha intenção aqui não é a de falar mal das igrejas evangélicas, mas para mostrar o que eu passei no auge do meu desespero e quem sabe, servir de alerta para algumas igrejas, para prestarem mais atenção nas pessoas, olhar com mais amor, afinal, esse seria o propósito de uma igreja, o de acolher.

Enfim, vamos lá.

A minha história é longa, mas vou tentar resumir, lógico que não para contar tudo, então vou contar um pedaço.

Nessa época eu estava desempregada, mãe solteira, um namorado casado, a minha família não me davam a mínima, pagava aluguel.

Vim de uma família extremamente religiosa, ou seja, tudo era pecado, eu fui excomungada depois que tive meu filho, o pai dele me abandonou e fiquei sozinha. Uma vergonha para minha família.

Decidi sair de casa e morar sozinha com o meu filho. Nessa época era ótimo, tinha meu emprego, meu filho ficava o dia inteiro na escolinha, enfim, tudo na santa Paz.

Até que conheci esse namorado casado, nos conhecemos em um congresso do meu trabalho, a empresa que ele trabalhava prestava serviço para minha, ele era de outro estado.

Nossa o homem perfeito, gente boa, amigo, parceiro, adorava meu filho. Tudo que sempre sonhei. Minha família começou a me respeitar mais, tudo estava indo maravilhosamente bem, até que...

A empresa foi vendida para um grupo multinacional, eles mandaram quase todos os funcionários embora e meu nome estava lá no grupo das demissões.

Meu chão caiu, eu tinha a escola do meu filho, o meu aluguel, comida, tudo!!!

Comecei a entrar em desespero.

Mas o meu príncipe encantando, surgiu e me salvou.

Disse para não me preocupar que ele iria assumir todas as minhas despesas até eu me estabilizar novamente no mercado.

Achei o máximo!

Pensei comigo, agora ele casa, nossa lembro dessa sensação, nunca me senti tão amada como nesse dia.

Ele pediu que eu utilizasse o dinheiro da rescisão para me atualizar na minha área. Que eu não precisava correr para arrumar um emprego, disse que a hora era para eu me cuidar, cuidar do meu filho, ficar em casa sempre linda esperando por ele.

Ele vinha para a minha cidade um final de semana sim e outro não. Disse que morava com os pais e os irmãos.

Vi algumas conversas dele com a mãe e achava um fofo.

Fazíamos planos para irmos lá conhecê-la.

Os meses se passaram, eu cheguei a fazer 3 cursos de reciclagem, ele passou a vir menos, mas o dinheiro estava lá na minha conta todos os meses.

Confesso que me acomodei, afinal, a vida toda sempre tive que me virar, nunca me senti cuidada.

Até que um belo dia, recebi uma ligação de outro estado, esse número me ligou umas três vezes, o mesmo número, não atendi pois achava que era alguma empresa de telefone. Mas na quarta tentativa, já tarde da noite, resolvi atender.

E para a minha surpresa, era a esposa do meu príncipe encantado.

Ela disse que pegou uma conversa nossa no celular, que já desconfiava, tinha inclusive colocado um detetive para ir atrás dele lá onde eles moravam.

Mas foi no celular que ela descobriu tudo, ela não me agrediu, ela pode ver nas conversas que eu não sabia que ele era casado.

Ela foi até bem afetuosa comigo, disse que não era a primeira vez que o marido a traía, mas que ela não iria se separar, já que eles tinham 4 filhos.

Meu mundo naquela hora desmoronou LITERALMENTE.

Parecia até um filme, eu achava que ela estava me passando um trote, pensei, meu Deus é um trote, mas ela me mandou tudo, fotos do casamento, dos filhos, de tudo!

Contei tudo para ela, como aconteceu, contei inclusive que eu estava desempregada e para a minha surpresa ela me aconselhou a não contar nada para ele agora, até que eu arrumasse um emprego e conseguisse me virar sozinha.

Meu Deus eu nem acreditava no que eu estava ouvindo.

Desliguei o celular e lógico me derramei em lágrimas...

Eu era muito sozinha, não tinha amigos, como contar essa história para alguém? Meu Deus, onde vou morar? E meu filho? Minha cabeça estava a mil.

Peguei o carro e saí, sem rumo.

Faltavam duas horas para pegar meu filho na escola, até que vagando nas ruas do meu bairro de carro, avistei uma igreja evangélica, eu estava destruída, sem chão, me sentindo desamparada, sozinha, com medo.

Resolvi entrar com o objetivo de receber esse colo, um abraço, alguém que me falasse, calma, vai ficar tudo bem.

Limpei minhas lágrimas e com o rosto bem vermelho, entrei.

A igreja estava lotada, ouvi um grupo falar que se tratava de uma campanha promovida pela igreja para ajudar os fiéis.

Entrei e fiquei sentada lá trás no canto, toda sem graça.

Todos estavam bem arrumados e eu do jeito que havia saído de casa, só de bermuda e com o rosto completamente inchado.

Percebi olhares estranhos, uma senhora que estava ao meu lado se afastou.

Não conseguia mais conter as minhas lágrimas, todos estavam cantando, louvando alegremente e eu, com lágrimas que saía rolando dos meus olhos, eu não conseguia me controlar.

Saí no meio do culto, fiquei envergonhada com os olhares, fui para o meu carro e conversei com Deus.

Falei assim: Meu Deus eu sempre ouvi que as pessoas que trabalham para ti iriam nos dar as mãos nos momentos de aflição, estou saindo daqui pior do que entrei, envergonhada, me sentindo mais sozinha do que nunca.

Passei uma flanela que estava no meu carro no rosto e fui buscar meu filho na escola.

Todos na escolinha sorrindo, falando comigo e eu com aquele sorriso doloroso, eu escondia muita dor, medo e sofrimento.

Cheguei em casa, cumpri minha rotina com o meu filho, botei ele para dormir. Tomei um banho e fui refletir sobre tudo. Meu celular estava desligado, não queria nem ouvir a voz do cidadão, nem sabia o que dizer.

Dormi muito pouco naquela noite.

Acho que foi uma das noites mais longa da minha vida.

E durante essa noite, eu me abracei, acho que como mecanismo de defesa, já que nunca tinha feito isso, comecei a conversar comigo, muitos anos depois descobri junto com a minha terapeuta que na verdade, eu me reconectei comigo novamente. Já que eu havia deixado a minha vida na mão daquele homem.

Comecei a lembrar de tudo o que eu havia feito sem ele, como eu tinha chegado até ali, sem família, somente eu e meu filho.

Conversei com Jesus Cristo e pedi força.

O dia amanheceu.

Levei meu filho para escola, voltei para casa, mantive meu celular desligado. Abri o meu computador e comecei a atualizar o meu curriculum.

Decidi que faria qualquer coisa, mesmo que não fosse da minha área, eu queria ter condições de manter meu filho na creche e pagar o nosso aluguel.

Só que o dinheiro da rescisão eu havia utilizado todo nos cursos e estava chegando o final do mês, eu precisava pagar o aluguel, a escola do meu filho e fazer compras de mercado.

Mais uma vez o desespero bateu e eu comecei a chorar, não tinha para onde correr, pensei, vou voltar a morar com a minha família, serei humilhada, mas vou proteger meu filho e não vamos parar na rua.

Conversei novamente com Jesus Cristo e pedi, de joelhos, aos prantos de choro.

Sequei as lágrimas e voltei para o computador.

Terminei o meu curriculum, enviei para todas as empresas da minha área, inclusive a antiga, com outros donos agora.

Enviei para todos os lugares, até para trabalhar em lojas como vendedora.

Depois de enviar resolvi ligar o meu celular, eu não podia fugir daquela conversa, eu não tinha sangue de barata para fingir que não estava acontecendo nada.

Ao ligar, vi que tinha mais de 100 ligações dele!

E logo em seguida o telefone tocou, nem preciso falar quem era.

Respirei fundo e atendi.

Ele estava desesperado, me encheu de perguntas, disse que já havia comprado passagem para aquele dia, que pensou o pior, ligou na escola do meu filho e falaram que estava tudo bem, que eu estava bem.

E eu calada. Até que ele parou com o interrogatório, eu respirei fundo e perguntei: Por que você me enganou?

Ele não estava entendendo nada, eu falei que já sabia que ele era casado, que ele havia me destruído, chorei muito, me alterei, aí ele que calou. Falei dos filhos. Não contei como eu tinha descoberto, ele calado estava, calado ficou.

Até que parei de falar, o único som que ele ouvia, era o do meu choro.

Ele me pediu desculpas, disse que não sabia o que falar para mim naquele momento, eu disse que ele não precisava falar nada e desliguei.

Continuei a minha busca incessante por emprego.

Eu acho que a necessidade faz a gente agir de cabeça mais fria, porque eu o amava, mas o meu foco era sobreviver.

Até que resolvi ligar para uma antiga colega de trabalho, contei para ela que estava desempregada e que havia feito vários cursos de aperfeiçoamento. Ela foi muito legal, disse que iria falar com o seu supervisor e que me daria a resposta depois.

Mandei mensagem para a minha mãe, pensando já em um plano B. E como era de se esperar, só ouvi reclamações e cobranças.

Assim que desliguei meu telefone tocou, era a minha ex colega de trabalho, o chefe dela havia gostado do meu curriculum e me chamou para uma entrevista, eu topei na hora, seria no dia seguinte, quase morri de felicidade, peguei meu filho na escola, super feliz, meu coração estava quase explodindo.

Assim que chegamos em casa, ao abrir a porta, dei de cara com o sujeito, ele tinha a minha chave, levei um susto. Mas eu estava com o meu filho, não podia deixar transparecer.

Fiz toda rotina com o meu filho, dei banho, jantar, brinquei com ele, botei ele para dormi.

O dito cujo estava da mesma forma sentado na sala.

Tomei banho e fui ter a bendita conversa.

Enfim, resumindo tudo.

Ele disse que ia se separar da esposa, que gostava de mim, que não ia desamparar ninguém, fiquei só ouvindo, uma serenidade que nem eu sabia que tinha.

Ele falou mais de 20 minutos, sem parar, explicando tudo, porque tinha se envolvido comigo, tudo mesmo, chorou, disse que me amava, que já havia falado com a esposa sobre nós, falou com os filhos dele sobre o meu filho, que segundo ele amava horrores.

Quando ele terminou, fui direto ao ponto. Disse que ele não foi sincero e não pediu a minha opinião, a minha permissão para aquele relacionamento com uma pessoa comprometida, eu teria decidido ficar ou sair.

Disse que meu coração estava dilacerado, pois eu o amava muito, que eu estava com medo já que havíamos feito planos juntos, eu dependia dele financeiramente. E apesar de tudo isso, eu não podia aceitar aquela condição, a minha confiança havia se quebrado, eu tinha que ser honesta comigo mesma.

A conversa foi dura, dolorosa, mas definitiva.

Eu já havia tomado a minha decisão.

Ele pediu para passar a noite ali, eu dormi com o meu filho no quarto dele, pela manhã bem cedo, ele deixou um bilhete com a minha chave em cima, se desculpando novamente, disse que não iria desistir de nós, mas que iria respeitar a minha decisão. E foi embora.

Mais um dia difícil, chorei muito, deixei meu filho na creche e voltei para casa, minha entrevista seria às 10:00hs.

Tomei banho, fiz uma maquiagem, conversei com Jesus me olhando no espelho, falei que confiava nele, que sempre havia escutado que ele estava dentro de nós, pedi que ele me acompanhasse nessa entrevista e fui.

Ao chegar na entrevista eu estava muito nervosa, mas muito confiante, senti uma calma que nem eu estava entendendo, ao entrar na sala a primeira surpresa, o nome do diretor que ia fazer a entrevista era Jesus, kkkkkkkkkkk

Naquela hora eu tive a certeza de que aquele emprego seria meu.

A entrevista foi ótima, ele me adorou e disse que estava precisando de uma pessoa que tinha aquela especialização que eu havia feito quando eu estava desempregada.

Disse que me daria a resposta naquele mesmo dia, mas nunca me senti tão confiante como eu estava, agradeci muito a Jesus.

Recebi um e-mail do dito cujo, era um extrato bancário, ele havia depositado na minha poupança o valor de 6 meses das minhas despesas, disse no e-mail que estava se sentindo culpado e que não me deixaria na mão.

Lógico que no primeiro momento, meu orgulho falou mais alto e tive vontade de devolver aquele dinheiro, mas depois pensei, que nada, eu estou precisando, tenho um filho pequeno, encarei como danos morais, por tudo o que ele havia feito. Agradeci e pedi que ele seguisse a vida.

Sabe que hoje até agradeço a ele por tudo? Sabe porquê?

Graças a toda essa situação, saí da minha zona de conforto, aumentei minha fé em Jesus, afinal, eu imaginava que eu só o encontraria dentro da igreja e fazendo tudo o que aqueles pastores pediam, mas agora estou mais intima de Cristo, descobri que ele vive dentro de mim, que NUNCA estive sozinha, somente quando eu estava esperando no outro.

Consegui o emprego, ganho o dobro do que eu ganhava, adquiri autoconfiança, amor-próprio, confio plenamente em mim, estou lidando melhor com as finanças, já estou quase comprando o meu sonhado apartamento e me sinto feliz e realizada.

Hoje se eu me envolvo com alguém é sem dependência, caminhamos juntos nessa estrada da vida e Jesus comigo sempre!

Assinado: A Sobrevivente

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page